sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Movimento pelo Réveillon Incolor


Eu sempre tive esse pesinho sobrando em alguns dígitos embora nunca, em nenhum momento, tenha me acostumado ou me orgulhado deles. Aliás Neide, preciso te dizer nesse rompante de indignação que a culpa de eu não ter conseguido até hoje – depois de anos! – me livrar deles, é dessa cultura das academias de ginástica permitirem que os personal trainers ajam como médicos sem terem feito nenhum tipo de juramento hipocrático.

Então, por conta disso, eu continuo aqui, com esses dígitos me assombrando. E algum maldito, em algum momento de ócio criativo, disse à sociedade que as cores usadas por uma pessoa durante a virada de um ano para o outro simbolizariam os desejos que ela tem para o ano seguinte. Até aí tudo bem, pouco me importa que cores usarão, mas minha família, que me aporrinha pela obrigatoriedade da presença nessa festa todo ano, inventou de viajar para o litoral nesse. Bem nesse. E eu não fui, pois estou gorda, sem dinheiro e sem folga no trabalho. Então, feito um cachorro chutado para fora da igreja, me enturmei com a primeira meia dúzia de pessoas que me deu bola. Fui convidada pra uma dessas festas de clubes, onde as pessoas só pensam em beber e beijar e beijar e beber e beijar. Só isso, pelo menos antes de saírem de lá para outros lugares. Claro, eu já sabia que ia ser assim, mas o que você faria em meu lugar, hein, Neide?
Só que eu não tinha nenhum vestido branco. Sim, todos iriam de branco e eu também deveria ir. Não seria eu, a nova da turma, a arrumar confusão por uma bobagem destas. Sabe, Neide, na verdade a cor que eu queria mesmo era uma mistura nada discreta de vermelho, laranja e amarelo. Era bem isso o que eu queria pra esse ano novo. Mas fui eu atrás de um vestido branco. Ninguém no universo pensa que gordinhas adorariam usar branco! Todos os vestidos brancos são curtos e justos, o que me deixaria extremamente parecida com um rolo de papel higiênico. Sabendo disso, comprei assim mesmo. Não tive opção. E não parei pra pensar, Neide.

Festa daqui, festa dali, todo mundo bêbado, se pegando... de repente, escuto uma gritaria e um tumulto preocupante. Estávamos sendo assaltados.
Sim, na festa de réveillon. Sem dó nem piedade. E os caras eram violentos, mal educados. Estavam muito loucos, Neide. Ainda por cima, uma patricinha débil mental olha pra mim e diz: ‘- Gente! Mas esses rapazes estão bêbados!’. Eu quase joguei minha taça na cara dela.
Abaixamos todos, deitados naquele chão imundo, molhado. Fomos roubados, humilhados, só vendo! Um dos assaltantes ainda me olhou e apontou a arma para minhas pernas, fazendo uma cara bem esquisita. O maldito vestido tinha virado blusa nessa hora. E, acredite, minha calcinha media do busto à metade da coxa.

Pois bem, sufoco terminado, chega a polícia, repórteres de jornais e televisão. Neide, te dou toda a minha coleção da Boa Forma se você adivinhar quem, no meio daquela bagunça, eles enxergaram e vieram, já com a câmera ligada e microfone em postos. Sim. Eu, de vestido branco, sujo, molhado, transparente, curto, mostrando minha calcinha-cinta bege broxante, maquiagem pós choro, descabelada e gorda. Dei entrevistas, tirei fotos, fui filmada e interrogada. Além da TV, fiquei uma semana com a cara e o corpo estampados nas páginas policiais dos jornais. Naquela situação, Neide.
Recebi todos os tipos de condolências imagináveis, mas em nenhuma delas as pessoas deixaram de comentar o meu estado. As mais íntimas faziam piadinhas sobre minha calcinha, meu vestidinho, etc. Engraçadinhos perguntaram se aquela festa era um bacanal pra eu estar vestida naquele traje indecente.

É, Neide, uma bela ironia. Paz eu desejo pra putaquepariu esse escroto que disse que a gente deve vestir branco. E pra todos os modistas, estilistas e costureiros que pensam que branco – e, consequentemente, paz – é coisa de gente magra.

Ano que vem, Neide, com família ou sem família, passo pelada. Peladona mesmo. Cor da pele. Acho melhor ser gorda louca do que ser gorda puta.
.
.
Samantha Abreu
foto de Ellen von Unwerth

10 comentários:

Vampira Dea disse...

Minha festa não aconteceu esse fuzue, pq nem existiu festa pq estou gorda e mal humorada, no entanto é um saco mesmo qd a gente não quer ser vista é que mais se expõe, e quanto ao vestido branco é um saco mesmo, vamos fazer a dieta da agua pra o próximo ano não termos mais problemas rsrrs, um beijão.

Juliana Campos disse...

Rii pacas. Até que queria um reveillon movimentados desses. o meu foi uma droga. E tava de colorido. Abaixo o branco. kkkk

c. disse...

como eu faço pra conversar com a samantha abreu? rs

Vanessa Raiol disse...

Que mania é essa de impor que todos usem uma cor no reveillon? Como se coisas boas ou ruins fossem determinadas por supertições.

samnio disse...

nossa, que história. Concordo com você, que mais vale ser gorda louca do que gorda puta.
http://palavrassemjeito.blogspot.com

Edra Moraes disse...

muito bom...rolo de papel higienico, sei ja me senti assim.
Edra

Jullia A. disse...

DHASOIDHASIUDHASOIUDHASD 'Todos os vestidos brancos são curtos e justos, o que me deixaria extremamente parecida com um rolo de papel higiênico'
mORRI.

somebody disse...

酒店經紀人,菲梵酒店經紀,酒店經紀,禮服酒店上班,酒店小姐,便服酒店經紀,酒店打工,酒店寒假打工,酒店經紀,酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工經紀,制服酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工,酒店經紀,制服酒店經紀,酒店經紀
,

Cleiton Soares Zanini disse...

Putz...

Por essas e outras que eu ODEIO ano-novo, natal, dia dos namorados (especialmente) e roupas justas e brancas (idem).

Sim, porque, no meu caso, se eu usasse uma camiseta branca, com numeração abaixo do G, iria ser um baita ovo de galinha! Cor-de-rosa, então... vixe! Aí sim, podem me chamar de ovo de boteco!!

Adorei teu texto... É o tipo de estória real que, de tão absurda, parece ficção. Porém, não é!

E eu, também apoio essa idéia:

"No ano-novo, não pareça um ovo."
ABAIXO O BRANCO!

Beijos.

juliana p disse...

"E, acredite, minha calcinha media do busto à metade da coxa."
Samantha, você é demais!
Já está na hora de publicar...
Beijo e sucesso!